Nº 399

 

JULHO - 2006

 

Património Cultural da Marinha

Faróis de Portugal

 34FAROL  Do Regufe

Como último exemplar da série Faróis de Portugal, apresenta-se nesta Revista o farol do Regufe, farol que foi desactivado em 2001, mas que constituiu até esta altura, e ainda hoje, uma verdadeira relíquia da arte do ferro.

O farol do Regufe, ou “S.Brás”, entrou em funcionamento em 24 de Março de 1892. Definia com o extinto farol da Lapa, o enfiamento do varadouro da enseada da Póvoa do Varzim e substituíram as luzes que até então ali funcionavam. A estrutura do farol é constituída por uma torre cilíndrica com três escoras em ferro, sendo toda pintada de vermelho.

Este farol funcionava como luz posterior ficando localizado a 600 metros da luz anterior, junto à linha do caminho-de-ferro. A luz era fixa, vermelha, com um aparelho catadióptrico de 5ª ordem e candeeiro de petróleo. O alcance luminoso era da ordem das 7 milhas.

Em 1917 foi construída uma casa junto ao farol, casa essa onde em 1929 nasceria o historiador de arte portuguesa Flávio Gonçalves, filho do 1.º sargento da Armada e encarregado do farol, Manuel José Gonçalves.

O farol foi electrificado com energia da rede pública em 1951. Passou a utilizar uma lâmpada de 500W, 220V, que lhe conferia um alcance luminoso de 15 milhas. A luz deixou de ser fixa para passar a clarões.

Em 1976 foi equipado com uma célula fotoeléctrica e um eclipsor, ficando semi-automatizado.

Em 1979 foi feita uma transferência patrimonial de uma residência situada junto ao farol de Regufe da Direcção de Faróis para a Capitania do Porto da Póvoa do Varzim.

Em Abril de 1995 iniciaram-se obras de conservação, manutenção e pintura do bonito e imponente farol do Regufe. Neste mesmo ano o Grupo Recreativo de Regufe colocou uma placa comemorativa do 1.º centenário.

O farol é considerado parte integrante do património histórico da comunidade poveira e considerado um dos notáveis valores da arqueologia de ferro da região nortenha.

Local: Póvoa de Varzim
Altura: 22 m
Altitude: 30 m
Luz: Iso W 6s
Alcance: 15 M 
Óptica: 5ª Ordem - 187,5mm
Ano: 1892

Foi apagado em Dezembro de 2000, chegando-se à conclusão que já não tinha qualquer interesse para a navegação, pois o molhe Norte do porto da Póvoa de Varzim constituía uma ajuda alternativa, atendendo ás suas características e nomeadamente ao seu alcance.

O farol foi oficialmente desactivado em Dezembro de 2001 conforme O Aviso aos Navegantes nº 25 de 07/12/2001.

 

Direcção de Faróis